terça-feira, 24 de janeiro de 2012

A OUTRA CAPA

A Casarão do Verbo apostou tanto neste projeto que surpreendeu a todos ao publicar duas versões de capa para "As baianas". Melhor para o leitor, que poderá escolher entre uma versão colorida e uma em preto e branco, mais noire.

5 comentários:

Felicidade Clandestina disse...

que capa linda!!!!!

Lidi disse...

Bonitas, as duas capas. Mas ainda fico com a outra: mais noire. Legal isso de podermos escolher. Parabéns a Casarão do Verbo. Abraços.

Elieser Cesar disse...

Também gosto da noir. A outra é bem putinha.

Lima disse...

Dus belas capas, mas, confesso, prefiro a ilustração à foto, pois ela evoca e comunica desde os cartazes de Tolouse-Lautrec à tradição visual dos livros da primeira metade do século XX, indo muito além do sensual, sugerindo ousadia (percebam o dedão em riste), elegância e, pelo negro da pele, tal qual o fazia Goeldi, um abismo que simboliza também morte. A perna é um rio que corta o papel. Há muitas sutilezas na arte. O capista foi tão feliz que reproduziu até o efeito de alteração da pigmentação em razão da cola na lombada, um amassado aqui, um ranhura ali... Excepcional!

editor disse...

Lidi,
acertamos em cheio nas capas. E acertamos tanto que resolvemos não penalizar o leitor, furtando-o de uma dessas capas. Gosto muito da noir, como disse Hélio Pólvora, dá para fazer um conto depois de observá-la por dois ou três segundos. Tudo isso é verdade. Todavia, olho pra capa da perna e me assombro de alegria, dando-me conta de que o pão do editor é feito desses pequenos grandes espasmos de gozo visual, também.
Nos vemos no lançamento.
rosel